quarta-feira, 2 de junho de 2010

FRAMES-CRÍTICA: Fúria de Titãs: original ou refilmagem?


Fábio Pereira (xanderfbi@hotmail.com)

Se você já assistiu ao original e ao remake e não gosta de comparações, pare de ler agora. Quer continuar? Neste post vou fazer uma comparação entre o “Fúria de Titãs” de 1981 e o mais recente, que considerei apenas regular.
Duas épocas distintas separam o original do remake. No original, feito no começo dos anos 80, a história também foca em Perseu (Harry Hamlin), só que com mais emoção, apesar do protagonista ser meia boca. Jogado ao mar, juntamente com sua mãe, pelo vingativo rei Acrisius, Perseu consegue sobreviver. Anos depois, a deusa Tétis (Maggie Smith, de Harry Potter e o Enigma do Príncipe) joga Perseu para enfrentar uma busca frenética a fim de salvar seu amor, a princesa Andrômeda. Bem, a aventura, o stop-motion, hoje primitivo para o cinema atual, e uma história envolvente marcaram essa versão inesquecível de 1981.
Sobre a refilmagem de 2010, também intitulada "Fúria de Titãs", os efeitos estão impressionantes - fora a Medusa, que na versão original era horrenda, mas nessa tem um rosto angelical e nada assustador – já a história em si perde ritmo, não somente pelas alterações no roteiro, mas pelo sem graça Sam Worthington. Nunca o considerei um grande ator, mesmo sendo o novo queridinho de Hollywood e ter participado de arrasa-quarteirões como Exterminador do Futuro – A Salvação e o mega-empreendimento de James Cameron, Avatar. O fato em si é que, a pouca expressividade de Harry Hamlin na versão original supera Worthington no remake.

Chatice
O novo “Fúria de Titãs” traça novamente a história de Perseu (Worthington), que após a morte de seus pais pelo deus Hades (Ralph Fiennes, de O Paciente Inglês), descobre ser filho de Zeus (Liam Neeson) e, para salvar a cidade de Argos, sai numa busca pela cabeça da Medusa, a fim de enfrentar o Kraken. A motivação de Perseu nesta refilmagem não é mais o amor pela princesa Andrômeda (Alexa Davalos, de O Nevoeiro), mas sim vingança contra os deuses. A chatice do filme vem do fato que, em quase todo o filme, Perseu alega querer enfrentar os obstáculos como humano e não como semideus. Isto mostra a fragilidade do roteiro em relação ao original.
Até o personagem Calibos, passa de um sacana no original, a um personagem mais violento e sem impacto nesta nova versão.
Pode me chamar de chato o quanto quiser, mas Hollywood não sabe fazer remakes. Eles nunca superam o original e tornam as produções no máximo regulares, com esse novo Fúria de Titãs.
Em tempo: repare na singela “homenagem” feita ao original, quando Perseu abre um baú e encontra uma parte importante da trama anterior e a descarta sem mais nem menos.

Fúria de Titãs (Inglaterra, 1981, Clash of the Titans). Elenco: Harry Hamlin, Maggie Smith e Burgess Meredith. Direção: Desmond Davis.

Fúria de Titãs (EUA/Reino Unido, 2010, Clash of the Titans). Elenco: Sam Worthington, Ralf Fiennes, Liam Neeson. Direção: Luis Leterrier.



TRAILER DO ORIGINAL
 
 
OFERTA

3 comentários:

Wagner Lannes disse...

Concordo com sua opinião. Assisti o filme ontem, em 3D (26,00 o ticket, juro) e digo que é no máximo mediano. Esperava muito mais do filme, ainda mais em se tratando de um remake. Mas como disse, Hollywood não sabe fazê-los.

Anônimo disse...

no caso, vc diz que o perseu joga fora um importante item do antigo filme... qual seria esse item?

Wesker disse...

Ele ta falando da coruja metálica, que no filme original era outro presente dos deuses q ele recebia, acho q da Athena, nem lembro direito, faz tanto tempo. vou ver se assisto denovo.