terça-feira, 22 de dezembro de 2015

FRAMES-ANÁLISE: Conheça a história de Akira: Um clássico da animação japonesa

 Donovan Mc Dulles


A década de 1990 foi marcada no Brasil pelo boom da cultura japonesa. Tá bom pode até não ser, mas graças a Rede Manchete o Brasil tomou conhecimento da cultura nipônica e de vários animes e tokusatsus (filmes ou série com atores de super-heróis produzidos no Japão) que eram importados de lá. E isso não só repercutiu muito no país como mudou toda a forma que víamos a cultura oriental. Tivemos Jaspion, Changeman, Cavaleiros do Zodíaco, Yu Yu Hakusho, entre outros sucessos. Mas um dos longas metragens mais famosos do outro lado do mundo não veio para a Manchete.

Lembro de ficar acordado até tarde nas noites de sábado para assistir a sessão de filmes trash que a Bandeirantes exibia. Antes dela existia uma sessão de filmes onde cansaram de passar A Lenda do Demônio e Akira. Este que é uma, senão a melhor, animação japonesa de todos os tempos.

Katsuhiro Otomo criou um mundo Cyberpunk pós apocalíptico diferente do que tínhamos em mente naquela época. Se você pensar os filmes que falavam sobre um mundo devastado tinham como principal tema a escassez de água, falta de tecnologia, falta de combustível e era desértico, como vemos em Mad Max. Akira por outro lado nos mostrava uma Neo-Tokyo devastada pela terceira guerra mundial, mas que não tinha perdido sua tecnologia. Temos carros, motos, armas, entre outros aparatos de ponta. Mas como em toda grande cidade isso não é para todos. É daí que vem nosso herói Kaneda.


Kaneda e Tetsuo são dois amigos de infância e membros de uma gangue de motoqueiros que não tem nenhum futuro na vida. O ensino em sua escola é ruim, os professores não tem poder em sala de aula, os alunos estão lá meramente para se encontrarem e tramarem guerras nas ruas de Neo-Tokyo. A maior paixão deles ainda são suas motos. Em uma noite Kaneda e seus amigos partem para o conflito com uma gangue rival por terem invadido seu território e com isso tem início uma grande perseguição na cidade. Durante a perseguição vemos o combate com pedaços de pau, tubos de ferro, socos e pontapés tudo isso em cima das motos.

Nesse confronto e durante todo o filme vemos a diferença na animação japonesa que chocou os americanos na época. Algo que eles não estavam acostumados a ver em um desenho: sangue, morte, atropelamentos, corrupção, confrontos políticos. Tudo isso aliado a uma animação tão boa que até hoje deixa muitas no chinelo. Akira fez história e causou reboliço e se tornou um filme cult, fazendo as animações da década seguinte se espelharem nele.


Outro ponto forte do filme é a trilha sonora. Como era de se esperar para a década, marcada por sintetizadores, a trilha foi composta por uma mescla de vozes humanas, instrumentos étnicos e sintetizadores. O compositor Shoji Yamashiro não teve acesso ao roteiro e nem viu nenhum trecho do filme e mesmo assim conseguiu fazer uma trilha que soasse com uma provável realidade de 2019, época em que se passa o filme.
Akira foi um filme grandioso, seu orçamento chegou na casa dos US$ 10 milhões, um recorde para um longa de animação da época. Apesar de todo o sucesso obtido, uma continuação nunca foi planejada, mas na década de 1990 a Sony ainda cogitou uma versão em live action, mas largou de mão quando seu orçamento estava previsto em torno de US$ 300 milhões. Já em 2008 a Warner Bros. adquiriu os direitos autorais do mangá e desde então tenta fazer uma versão com atores. Até o ator Garrett Hedlund (Tron o Legado) e o diretor Jaume Collet-Serra (A Casa de Cera de 2005 e A Órfã de 2009) já foram cotados para o projeto que não sai da gaveta. Recentemente a Warner Bros. anunciou o retorno de Jaume, que havia se afastado, e também de acordo com o site Deadline, Dante Harper (The Last Witch Hunter) será o roteirista. Além de Jaume e Garrett nomes como Ken Watanabe e Kristen Stewart já estiveram ligados ao projeto.


No Brasil, o mangá de Akira começou a ser publicado em 1990 pela Editora Globo e foi cancelado em 1993 e retornando em 1997, com as últimas 5 edições restantes. O longa-metragem foi lançado nos cinemas brasileiros em 1992 e logo após ao mercado de VHS. Infelizmente no Brasil tudo que é animação é tachado como desenho infantil e Akira foi parar nas prateleiras desta categoria. Só no final da década de 1990 é que o filme foi para as telas da tv aberta. A Band começou a exibir o filme no horário da noite após as 22:00 o que fez muito sucesso, reprisando várias e várias vezes. Em 2008, em comemoração aos 20 anos de seu lançamento, foi lançado em uma versão especial pela Focus Filmes em uma embalagem de lata com duas versões 4:3 e 16:9 além de discos com vários extras de produção.  Akira já foi lançado em Blu-ray mas não teve tanto sucesso, apenas críticas ruins.

Akira Trailer Legendado

Akira Blu-Ray


Trailer feito por fãs.

Fabien Dubois outro fã de Akira também fez um teaser trailer em Live-Action.


O filme foi lançado em 1988 e é baseado no mangá que ainda estava sendo escrito pelo mesmo Katsuhiro que deve ter queimando milhões de neurônios para condensar uma história tão complexa e longa, de quase dez anos (1982-1990) em aproximados 120 minutos, mas Otomo conseguiu. Juntamente com Izo Hashimoto roteirizou e dirigiu o filme fazendo grandes cortes na trama central do mangá para a versão das telonas. Mas isso não atrapalhou em nada a história e os personagens.



Akira (Akira, Japão – 1988)
Direção: Katsuhiro Ôtomo
Roteiro: Katsuhiro Ôtomo e Izo Hashimoto
Elenco: Mitsuo Iwata, Nozomo Sasaki, Mami Koyama, Tesshô Genda, Hiroshi Ohtake.
Duração: 120 min