segunda-feira, 17 de setembro de 2012

FRAMES-CRÍTICA: Prometheus – Os mistérios de Ridley Scott em seu "DNA Alien"



Fábio Pereira (xanderfbi@hotmail.com)

Em 1979, Alien – O Oitavo Passageiro deixou plateias horrorizadas com o ser alienígena que dizimou, um a um, a tripulação da tenente Ellen Ripley (Sigourney Weaver). Um clássico, por assim dizer, Alien mostrava um terror psicológico e físico capaz de mexer até mesmo com os mais corajosos. A franquia acabou tendo mais três sequências, sendo que a segunda parte, dirigida por James Cameron (Avatar) foi a melhor de todas. Eis que 33 anos depois o diretor Ridley Scott - responsável por outros clássicos do cinema de ficção, como Blade Runner – O Caçador de Androides (1982) e filmes emocionantes, como Cruzada (2005) - volta a abordar o universo mitológico que aparece tão rapidamente no primeiro Alien. Para quem não lembra no primeiro Alien, a nave alienígena, bem como seu ocupante, morto há milênios, é mostrada rapidamente, com sua origem seguindo indeterminada. Prometheus surge para responder algumas perguntas e gerar muitas outras, desvendando parte do mistério envolto às nossas próprias origens em torno das questões básicas existenciais: de onde viemos e qual nosso propósito são alguns aspectos, mesmo que obscuros abordados na produção.
Em Prometheus, tudo começa no ano de 2089, com Elizabeth Shaw (Noomi Rapace, de Sherlock Holmes: O Jogo das Sombras) e Charlie Holloway (Logan Marshall-Green), dois cientistas que encontram, em vários lugares da Terra, pinturas que indicam um caminho a ser seguido a fim de encontrar os “Engenheiros”, alienígenas que podem ter criado toda raça humana. Para isso, em 2093, os cientistas contam com a “ajuda” da Corporação Weyland (Futura Weyland-Yutani, companhia presente nos filmes da franquia e seus “spin-offs”), que reúne um grupo para viajar até o planeta em que se especula que estão os Engenheiros. A expedição, à bordo da nave científica Prometheus, é composta por diversos cientistas, além do androide David (Michael Fassbender, de X-Men: Primeira Classe), e da diretora Meredith Vickers (Charlize Theron, de O Advogado do Diabo), entre outros. Entre a emoção das descobertas, todos irão passar pelas dificuldades ante o terror de revelações chocantes e criaturas inimagináveis.
Prometheus é uma produção excelente, recheada de efeitos especiais, uma trilha sonora magnífica e uma história sólida, que lida com aspectos humanos mais antigos, sem ir pelo lado banal dos fatos. Mas, um alerta para aqueles que esperam ver um “filme sobre a criatura Alien”: Prometheus fala da mitologia e, não somente do ser.
Em tempo: Demorei a perceber qual o personagem de Guy Pearce no filme. Minha surpresa veio através da maquiagem que o deixa irreconhecível. 

Curiosidade: Para se ter uma ideia real de quando os fatos de Prometheus ocorrem, o filme se passa em 2093 e, segundo o cânone da franquia Alien, Ellen Ripley nasceu em 07 de janeiro de 2092!

Prometheus (Idem, EUA, 2012). Elenco: Noomi Rapace, Guy Pearce e Charlize Theron. Direção: Ridley Scott.

Nota – 8 Frames

Pontuação
01 a 02 Frames – Ruim/03 a 04 Frames – Regular/05 a 06 Frames – Bom/07 a 08 Frames – Ótimo/09 a 10 Frames - Obra Prima


TRAILER LEGENDADO


Nenhum comentário: